quinta-feira, 5 de julho de 2007

Ciencia Popular

DIZEM os mais velhos do povo daqui do Guaibim algumas coisas sobre as cobras que eu pensei comigo mesma serem coisas interessantes.Alguns exemplos:
1===Nos meses que nao teem a letra R(maio, junho, julho e agosto)deve-se evitar qualquer tipo de confronto com as cobras venenosas, pois eles dizem que as cobras estao chocando e eh quando o veneno dela esta mais atuante.
2===Se for picado nao pode de jeito maneira ter contacto com a agua, muito menos usa-la para limpar o local picado.
3===Nao se deve mata-la se ela picou, pois inevitavelemte voce morre.
4=== Nunca mata-la de tiro.
5===Se voce precisa de qualquer jeito entrar na mata , nao pode esquecer de levar o seguinte kit:noz moscada(eles dizem que cobra nao gosta do aroma delas), querosene, pois se for picado tem que beber um gole dele e passar em cima da mordida,e algumas ervas que eu nao sei dizer o nome.
Dizem que o homem que foi recentemente picado nao estava com nada disso, e que ele atravessou um riacho, molhando por demais as picadas.
A sabedoria popular que eu nao sei a origem, mas que me atrai bastante eh dos motivos pelo qual eu ando de tro-lo-lo, com o pessoal do Guaibim.
Hoje fiz um verdadeiro discurso da necessidade dos moradores pressionar o poder publico para trazerem o antiofidico para Valenza, assim como falei da necessidade deles de andarem calzados na mata.
E isto dentro do onibus, no horario mais cheio do trajeto Guaibim-Valenza.E o interessante foi o silencio que fizeram para ouvir o que eu estava dizendo...........................................................

Um comentário:

Madu disse...

Esse post me lembra a sabedoria de minha mãe.Essa sabedoria que garantiu a sobrevivência de muitos negros. Como um povo que saiu da abolição sem direito à terra, ao salário, à vida digna ia ter assistência à saúde? Sinto saudades de minha mãe e ao mesmo tempo tenho esperança de que o mundo para os desvalidos será melhor.

este eh um diario atraves de imagens. a cronologia nunca sera a mesma. ele tanto pode estar no passado como no presente mas sempre com o futuro como meta, como se fosse O OLHO REAL.