quarta-feira, 14 de março de 2007

MINHA TIA BRIGIDA.

IMAGINEM uma pessoa que viveu 93 anos sem ver nada da vida da cidade, da vida moderna.Que morava la no meio da caatinga paraibana, no Cariri, seco e solitario, nada de novo aparecia por ali, ate a decada de 80...
Entao a minha mae resolve trazer a Villou ao Recife para ir ao medico por causa do chumbo que comecou a incomodar, a inflamar o nariz depois de mais de 20 anos alojado ali.Quando ela chegou em Campina Grande para tomar o onibus para vir ao Recife, precisou (de uma viatura policial)de varios policiais agarra-la e por dentro do onibus, que ela nunca tinha visto antes.Minha mae conta que ela chorou a viagem de 4 horas inteirinha.quando chegarma em Recife, foi outro batalhao para tira-la de dentro do onibus.
Ela como nunca tinha visto nem lampada e nem torneira(tinha 93 anos de puro cariri) derramando agua deu uma crise de histeria que foi dificil acalma-la.Me parece que a minha mae ameazava chamar a policia.
E ao chegar a noite quando acenderam as luzes da casa, foi outra cena d eloucura total....Passado o susto , minha mae conta que foi outra cena quando ligaram a televisao,(sendo que aqui aconteceu uma coisa curiosa, ela ficou em extase, ficou totalmente vidrada na tela da tv, hipnotizada) pois ela perguntava o tempo todo a minha mae, por gestos , como eh que tinham colocado as pessoas dentro da televisao e como elas podiam ter ficado daqueles tamanhos////e se elas sairiam e como....
.A minha mae conta que os tres meses em que ela ficou no Recife foram muitas coisas acontecidas, hilarias e ao mesmo tempo meio tristes pela condicao dela.
Naquela epoca eu estava morando em SAO LOURENZO, MINAS GERAIS e nao vi nada , so sabia por cartas das coisas que a minha mae me escrevia, e hoje nas rodas de "causos contados 'quando a familia se reune eles(meus irmaos) que estavam la presentes contam...............e apesar de tudo isto nao ser nada alegre
nos damos umas boas gargalhadas.

Um comentário:

Lucia disse...

Adorei sua história, ri e chorei ao mesmo tempo, fiquei imaginando tudo que vc contou, lembrei da minha bisa...com sua doçura. Obrigada por esses momentos de alegria. Valeu!

este eh um diario atraves de imagens. a cronologia nunca sera a mesma. ele tanto pode estar no passado como no presente mas sempre com o futuro como meta, como se fosse O OLHO REAL.